Social Icons

Featured Posts

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Aquietai-vos

Escrito por Silvana Jacob Cury Santos

“Não tenha medo, tão somente creia...” - Lucas 8.50

“Sejam fortes e corajosos, todos vocês que esperam no Senhor!” - Salmos 31.24

Por que temos tanta dificuldade em viver de acordo com estas palavras?
Por que, simplesmente, não conseguimos nos acalmar, não ter medo, não esperar em Deus em momentos difíceis?
Por que nos antecipamos, nos degastamos, nos desesperamos até a exaustão tentando, muitas vezes, solucionar nossos próprios problemas?
Por que queremos tanto controlar nossas próprias vidas?
Ou, será que apenas EU questiono estas coisas?
Você deve imaginar que tenho uma boa resposta para todas estas perguntas. Desculpe-me, amigo, mas decididamente não tenho...
A Bíblia está repleta de promessas, ordens, conselhos, palavras de conforto e orientações pra qualquer situação. Há anos o homem busca ansiosamente sanar sua ansiedade.
A boa notícia: Deus já sabia disso. Ele conhece cada um de nós.
Quando falamos em emoções e sentimentos, não me envergonho em dizer: tenho dificuldade em aplicar estas valiosas promessas bíblicas em minha vida. Conheço os textos de cor. Aconselho pessoas, CONHEÇO o imenso poder de Deus em nos dar a paz que excede todo o entendimento (Filipenses 4.7). Porém, há vezes em que não consigo passar por uma tempestade com a calma e a confiança que poderia desfrutar.
O que posso dizer então?
O que conforta e consola o meu coração é ter a certeza de que Deus me conhece. Foi Ele quem me fez, do jeito que sou. Apoio-me em outras maravilhosas verdades de que Deus sonda e conhece o meu coração, conhece os meus pensamentos! Sabe quando me deito, quando me levanto, não há lugar onde possa esconder-me Dele. Ele sempre estará lá. (Salmo 139).
O que mais posso querer?
Aquele que me criou SABE do que necessito! Sabe onde estão minhas fraquezas, minhas limitações, minhas mazelas, meus medos!
Não preciso fazer nada sozinha. Não preciso de autoajuda. Não preciso SER forte.
Estou aprendendo a não temer aceitando a Sua poderosa mão na minha.
Por quê? Porque Ele diz:
“Aquietai-vos, e sabei que Eu sou Deus...” - Salmos 46.10a

Nova Logo da IPB

Desde que foi criada a logo da IPB vem causando polêmica. O motivo? O desenho de uma pomba bem no meio da Sarça que Queima. Para alguns, seria uma tremenda heresia, pois não foi o Espírito Santo quem desceu na Sarça no Monte Sinai em "Êxodo 3.2 Apareceu-lhe o Anjo do SENHOR numa chama de fogo, no meio de uma sarça; Moisés olhou, e eis que a sarça ardia no fogo e a sarça não se consumia.3.3 Então, disse consigo mesmo: Irei para lá e verei essa grande maravilha; por que a sarça não se queima? 3.4 Vendo o SENHOR que ele se voltava para ver, Deus, do meio da sarça, o chamou e disse: Moisés! Moisés! Ele respondeu: Eis-me aqui!". Para outros não seria heresia pois Deus é único e o Espírito Santo também é Deus. Para outros, não há nada demais.
O Certo é que a discussão chegou até o Supremo Concílio e ficou decidido que haveria uma mudança na Logo da IPB. Veja abaixo como era e como ficou.

COMO ERA...


COMO FICOU...


No entanto, a IPB já teve outras logos como vemos abaixo:


Fone:Igreja Presbiteriana do Primavera

domingo, 2 de novembro de 2014

As origens do Presbiterato na Igreja Presbiteriana do Brasil

O objetivo deste artigo é, inicialmente, fazer algumas breves considerações sobre o presbiterato na Bíblia e no movimento reformado. Em seguida, descreve-se como surgiu esse ofício nas primeiras igrejas presbiterianas do Brasil e nos primeiros concílios da nova denominação, até a criação do Sínodo, em 1888. Por fim, são fornecidos alguns dados sobre presbíteros que se destacaram no período inicial da história do presbiterianismo brasileiro.

1. O presbiterato bíblico e reformado
Os primórdios do presbiterato são muito antigos na tradição judaico-cristã. Os primeiros presbíteros foram os anciãos, mencionados muitas vezes no Antigo Testamento a começar da época do Êxodo. Eram os representantes do povo, sendo por isso mesmo denominados “anciãos de Israel” (Êx 3.16), “anciãos do povo” (Êx 19.7) e “anciãos da congregação” (Lv 4.15). Eles exerciam importantes funções de liderança e participaram dos eventos mais significativos da história de Israel, sendo escolhidos por sua sabedoria, maturidade e discernimento. Deviam proteger o povo, exercer disciplina, fazer cumprir a lei de Deus e administrar a justiça. Esses anciãos judeus serviram de modelo para os presbíteros cristãos.

As primeiras igrejas do Novo Testamento logo começaram a ser governadas por presbíteros eleitos pelas comunidades. No livro de Atos dos Apóstolos, nós os vemos administrando recursos materiais, julgando questões doutrinárias e resolvendo conflitos. Atos 14.23 é a primeira passagem que fala sobre a instituição do presbiterato em igrejas locais. Fica claro que o apóstolo Paulo seguia essa prática nas igrejas que estavam sob sua responsabilidade (Tt 1.5). Na valiosa passagem de Atos 20.17-35, os presbíteros são instruídos acerca do significado e das atribuições do seu nobre ofício. A grande relevância do presbiterato cristão também é ressaltada em textos como 1 Timóteo 3.1-7 e 1 Pedro 5.1-4.

A Reforma Protestante restaurou o presbiterato cristão ao seu modelo bíblico original. Isso aconteceu de modo especial na Reforma Suíça ou Movimento Reformado, cujos líderes iniciais foram Ulrico Zuínglio e João Calvino. No princípio, os presbíteros tinham funções quase que exclusivamente disciplinares, mas aos poucos surgiu um entendimento mais abrangente do seu ofício, para incluir responsabilidades administrativas e pastorais. Influenciado pelo colega mais velho Martin Bucer, Calvino propôs quatro tipos de oficiais para as igrejas reformadas: pastores, mestres, presbíteros e diáconos. Com pequenas diferenças, esse modelo (com os pastores concentrando também a função de mestres) foi adotado por todas as igrejas reformadas através da Europa, principalmente na França, Holanda e Escócia.

A Forma de Governo Eclesiástico Presbiterial (1645), um dos documentos aprovados pela Assembléia de Westminster, declarou o seguinte: “Como havia na igreja judaica anciãos do povo unidos aos sacerdotes e aos levitas no governo da igreja, assim Cristo, que instituiu o governo e líderes na igreja, supriu alguns em sua igreja, além dos ministros da Palavra, com dons de governo e com o encargo de exercê-los quando para isso chamados, os quais devem associar-se ao ministro no governo da igreja, oficiais esses que as igrejas reformadas geralmente denominam presbíteros”. Ver também a Confissão de Fé de Westminster, 31.1. As igrejas presbiterianas norte-americanas adotaram desde o início o presbiterato, levando-o para os países onde realizaram trabalho missionário, como o Brasil. Ao criar-se o Sínodo da Igreja Presbiteriana do Brasil (1888), foi adotado o Livro de Ordem da Igreja do Sul dos Estados Unidos (PCUS), com sua forte ênfase no ofício presbiterial.

2. Os presbíteros das igrejas pioneiras
Levou algum tempo para que os presbíteros começassem a ocupar o seu devido lugar na estrutura da igreja presbiteriana brasileira. Na fase de implantação do presbiterianismo nacional, as necessidades da obra missionária fizeram com que as primeiras igrejas fossem organizadas ao serem recebidos os primeiros membros, ficando para mais tarde a eleição de oficiais. Foi o que aconteceu com a primeira comunidade presbiteriana em solo pátrio, a Igreja do Rio de Janeiro, organizada por Ashbel Green Simonton em 12 de janeiro de 1862, com apenas dois membros. Os primeiros oficiais somente foram eleitos quatro anos mais tarde, em 1866. No dia 2 de abril daquele ano houve a eleição de três diáconos e em 7 de julho, de dois presbíteros: o irlandês William Richard Esher (†1901), que havia freqüentado a Igreja Evangélica Fluminense (congregacional), e o português Pedro Perestrello da Câmara (1839-1937), primo do futuro Rev. Modesto Carvalhosa. A ordenação ocorreu dois dias depois, em 9 de julho, surgindo assim a Sessão ou Conselho. Esses foram os primeiros presbíteros regentes da Igreja Presbiteriana do Brasil.

Passaram-se oito anos antes que a igreja elegesse novos presbíteros – Dr. Miguel Vieira Ferreira e Cândido Joaquim de Mesquita. Isso ocorreu no dia 17 de setembro de 1874, poucos meses após a inauguração do templo da Travessa da Barreira. A ordenação solene foi realizada no dia 4 de outubro, permitindo o reinício das atividades da Sessão. Desde essa época até o centenário da igreja, em 1962, o Conselho reuniu-se mais de 1620 vezes. Em 14 de janeiro de 1875, foram eleitos outros dois presbíteros, João Batista Gomes Garcia e Antônio da Cunha Vasconcelos, que foram ordenados em 7 de fevereiro. Nova eleição de presbíteros ocorreu em 13 de outubro de 1881, sendo escolhidos José de Azevedo Granja, Manuel José Ferreira e William Gore Baker. Os próximos presbíteros a serem eleitos foram Júlio de Oliveira (1887), Dr. Francisco Barreto e João Braga (1892), Jorge Frederico Baker e João Cardoso (1896). No longo pastorado do Rev. Álvaro Reis (1897-1925), aumentou consideravelmente o número de presbíteros da igreja-mãe.

Em 1867, um ano após a eleição dos primeiros oficiais no Rio de Janeiro, a Igreja de São Paulo, organizada em 5 de março de 1865, também passou a ter o seu primeiro presbítero, o inglês William Dreaton Pitt (1828-1870). Ele havia sido o primeiro colaborador do pioneiro congregacional, Robert Reid Kalley, no Rio de Janeiro, bem como um dos membros fundadores da Igreja Evangélica Fluminense (1858) e um dos primeiros presbíteros dessa igreja (1862). Indo para São Paulo, tornou-se grande auxiliar do Rev. Alexander Latimer Blackford, sendo eleito presbítero da igreja paulista no dia 15 de dezembro de 1867 e ordenado no dia 22, três dias antes da volta de Blackford para o Rio de Janeiro, onde foi substituir Simonton, falecido recentemente. No final de 1868, Pitt foi residir em Itaqueri, nas proximidades de Brotas, onde se dedicou ao trabalho evangelístico. Foi ordenado pastor em 16 de agosto de 1869, durante a 5ª reunião do presbitério, mas faleceu seis meses mais tarde, em 13 de março de 1870, com apenas 42 anos de idade. Pitt foi o primeiro presbítero regente a alcançar o ministério na história da IPB.

Com a saída de Pitt, a Igreja de São Paulo ficou sem presbítero por doze anos! Finalmente, no dia 3 de outubro de 1880 foi eleito para o presbiterato o diácono Manoel José Rodrigues da Costa, ordenado em 9 de janeiro seguinte. Manoel da Costa exerceu esse ofício com dedicação e competência por muitos anos. Manoel da Paixão foi eleito em 23 de março de 1884 e ordenado em 13 de abril. No dia 2 de maio de 1886, foram eleitos Remígio de Cerqueira Leite e Isidro Bueno de Camargo, que haviam sido diáconos (foram ordenados no dia 25 do mesmo mês). Outro antigo presbítero da Igreja de São Paulo foi o médico Dr. Nicolau Soares do Couto Esher (1867-1943), filho do primeiro presbítero da Igreja do Rio. A Igreja de Brotas, a terceira comunidade presbiteriana em solo brasileiro, elegeu os seus primeiros presbíteros em 1875, dez anos após a organização. Foram eles Joaquim José de Gouvêa e Henrique Gomes de Oliveira. No ano seguinte foi eleito Manoel Pereira de Toledo Magalhães. Os primeiros presbíteros da Igreja Unida de São Paulo foram Augustus Farnham Shaw, André Jensen e Francisco Palmiro Ruggeri (1900); em seguida, Antônio Gomes da Silva Rodrigues (1901) e Dr. Eliézer dos Santos Saraiva (1903).

3. Os primeiros concílios
Quando foi organizado o primeiro concílio da IPB, o Presbitério do Rio de Janeiro, no dia 16 de dezembro de 1865, não houve a presença de presbíteros. Somente na 4ª reunião do presbitério, realizada em São Paulo nos dias 5 a 8 de agosto de 1868, esteve presente o único presbítero da capital paulista – William D. Pitt. Essa foi a primeira vez na história da IPB em que um presbítero tomou assento em um concílio. Por vários anos, o presbitério voltou a reunir-se somente com pastores. Em agosto de 1875, na 11ª reunião presbiterial, realizada em Rio Claro, compareceu o presbítero Belisário Correia Leite, da Igreja de Borda da Mata, em Minas Gerais. Na 12ª reunião (1876), no Rio de Janeiro, esteve presente o Dr. Miguel Vieira Ferreira, da Igreja do Rio, e na 13ª reunião (1877), na mesma cidade, João Batista Gomes Garcia, também da igreja-mãe. Na 14ª reunião (1878), em São Paulo, compareceram onze pastores e apenas um presbítero, Cândido Joaquim de Mesquita, do Rio de Janeiro, candidato ao ministério. Na 15ª reunião (1879), no Rio de Janeiro, novamente compareceu o presbítero Garcia, da capital do Império.

Na reunião de 1880, realizada em São Paulo, estiveram presentes um presbítero de Rio Claro (Severino José de Gouvêa) os três de Brotas, sendo um titular e dois correspondentes (Henrique Gomes de Oliveira, Joaquim José de Gouvêa e Manuel Pereira de Toledo Magalhães). Na reunião de 1881, tomaram assento Manoel da Costa (São Paulo), Manuel Pereira de Toledo Magalhães (agora de Lençóis) e Henrique Gomes (Brotas); na reunião de 1883, José de Azevedo Granja (Rio), Manoel da Costa (São Paulo) e João Antunes de Moura (Itapeva). Na reunião de 1884 aumentou a representação de presbíteros: Manoel da Paixão (São Paulo), Henrique Gomes (Brotas), João Antunes de Moura (Itapeva), João Batista de Aguiar (Sorocaba) e Herculano de Gouvêa (Rio Claro). Na reunião de 1885, em Sorocaba, estiveram Francisco Rodrigues Pacheco (Sorocaba), Manoel da Costa (São Paulo), José Rodrigues de Carvalho (Itapeva) e Francisco de Paula Rodrigues (Lençóis); na reunião de 1886, José de Azevedo Granja (Rio), Domingos Roque (Campos) e Francisco de Assis Dias (Cabo Verde); na reunião de 1887, Manoel da Costa (São Paulo), Antônio de Pádua Dias (Cabo Verde), Manuel Ribeiro dos Santos (Rio Claro), Francisco Rodrigues Pacheco (Sorocaba), João David Muzel (Guareí), João Antunes de Moura (Itapeva) e João Vieira Bizarro (São Carlos).

Ao criar-se o antigo Presbitério de São Paulo, de curta existência (1872-1877), ligado à Igreja do Sul dos Estados Unidos (PCUS), participaram, além de quatro missionários, dois presbíteros norte-americanos: William P. McFadden (Santa Bárbara) e James McFadden Gaston (Campinas). O Dr. Gaston era médico e clinicou em Campinas por vários anos. Foi sogro dos Revs. Alexander Blackford e John B. Kolb. Poucos presbíteros participaram da organização de três presbitérios surgidos em 1888: do Presbitério de Pernambuco, William Calvin Porter; do Presbitério de Minas, Flamínio Augusto Rodrigues e João Vieira Bizarro; do Presbitério de São Paulo, Manoel da Costa. Quando foi organizado o Sínodo da Igreja Presbiteriana do Brasil (1888), no Rio de Janeiro, compareceram os presbíteros Manoel da Costa (São Paulo), José de Azevedo Granja (Rio de Janeiro), João da Mata Coelho (Cruzeiro), William Calvin Porter (Recife), José Antônio de Lemos (Itatiba), Antônio da Silva Rangel (Mogi-Mirim) e Flamínio Rodrigues (Campinas), este último tendo como suplente Álvaro Reis.

4. Alguns presbíteros destacados
Obviamente, foram muitos os presbíteros que deram contribuições relevantes nos primeiros tempos do presbiterianismo no Brasil. A título de exemplo, vale mencionar os seguintes. Minervino Ribeiro Pessoa Lins (1841-1931) foi membro fundador e primeiro presbítero da Igreja da Paraíba (João Pessoa), organizada em 1884; foi o primeiro presbítero a ser moderador de um presbitério (Presbitério de Pernambuco, 1896). João Antunes de Moura (1849-1928) era presbítero em Itapeva, no sul de São Paulo, e teve participação ativa nos concílios da igreja nacional. Joaquim Honório Pinheiro (1852-1934) era oriundo da Igreja de Brotas e foi presbítero em Dois Córregos e São Paulo; atuou como tesoureiro das Missões Nacionais e prestou muitos serviços à igreja. João da Silva Dourado (1854-1927) foi presbítero no interior da Bahia, na cidade que hoje tem o seu nome. Tertuliano Goulart (1855-1939) foi jornalista e presbítero em Araguari, no Triângulo Mineiro. José Custódio da Veiga (1861-1954), de Nepomuceno, foi um dos primeiros presbíteros do sul de Minas.

Jorge Frederico Baker (1862-1949) foi o esteio da obra presbiteriana em Niterói. Willis Roberto Banks (1864-1942) foi o pioneiro do presbiterianismo no vale do Ribeira, em São Paulo. Joaquim Ribeiro dos Santos (1865-1954) foi grande amigo e auxiliar dos pastores e missionários, e prestou muitos serviços às causas da igreja. Myron August Clark (1866-1920) tornou-se presbítero da Igreja do Riachuelo, no Rio de Janeiro; trouxe para o Brasil a Associação Cristã de Moços (ACM). Guilherme Klopffleisch (1867-1955), nascido na Alemanha, auxiliou a obra presbiteriana no Paraná. Eliézer dos Santos Saraiva (1879-1944), da Igreja Unida de São Paulo, foi grande entusiasta da Escola Dominical e do Esforço Cristão. Gustavo Dias de Assumpção (1881-1923) serviu como tesoureiro da Igreja Presbiteriana do Brasil. Também é importante lembrar que vários antigos presbíteros se tornaram pastores: William D. Pitt (1869), Álvaro Reis (1889), William Calvin Porter (1889), João Vieira Bizarro (1891), Herculano de Gouvêa (1891), Flamínio Augusto Rodrigues (1893) e José de Azevedo Granja (1897), entre outros.

Conclusão
Deste levantamento conclui-se como tem sido relevante o presbiterato à luz das Escrituras e da história do cristianismo. Importante no Antigo e no Novo Testamento, esse ofício foi altamente valorizado pela Reforma e pela tradição reformada. No Brasil, após uma demora inicial, motivada pelas circunstâncias do período pioneiro, os presbíteros progressivamente ocuparam uma posição de grande destaque na estrutura da Igreja Presbiteriana. Esperamos que, motivados por essa história e pelos exemplos desses valorosos servos do passado, os presbíteros atuais se sintam ainda mais motivados e incentivados a exerceram fielmente o elevado encargo para o qual Deus os vocacionou.

Fonte: Mackenzie

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

PLANTAÇÃO DE IGREJA! GRANITO/PE!

A IPB/BODOCÓ, ESTÁ SEGUINDO O EXEMPLO DA IPB/RECIFE SUA MÃE, NA PLANTAÇÃO DE UMA NOVA IGREJA NA CIDADE DE GRANITO/PE. AS FOTOS SÃO NA ZONA RURAL, EM BREVE POSTAREMOS AS DO CENTRO! OREM POR NÓS! O SENHOR NOS DEU A HONRA DE FALARMOS EM SEU NOME!

quinta-feira, 15 de maio de 2014

“Herança do Senhor são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão.” Sl 127.3

Os filhos são a herança de Deus e a alegria dos pais. Trazem esperança para a família e perpetuação do seu nome. Qual é o significado dos filhos para os pais? Primeiro, os filhos são herança de Deus. São dádivas do Altíssimo. Segundo, os filhos são a recompensa dos pais. São como um galardão. Terceiro, os filhos são os protetores dos pais. São como flechas nas mãos do guerreiro. Um guerreiro carrega as flechas, lança as flechas para longe e as endereça para um alvo certo.

Os pais carregam os filhos no coração, no ventre, nos bra- ços, no bolso, nos sonhos. Os pais não criam os filhos para si mesmos; criam-nos para o Senhor. Os filhos devem ser mais filhos de Deus do que nossos filhos. Como um guerreiro, os pais não desperdiçam suas flechas, mas lançam-nas no alvo certo. Quarto, os filhos são defensores e protetores dos pais. Assim como um guerreiro é feliz por encher sua aljava de flechas, também, são felizes os pais cujos filhos são como protetores em tempos de luta.

Os pais devem investir nos filhos e os filhos devem proteger os pais. Os pais devem educar os filhos e os filhos devem honrar os pais. Quando a família cumpre esse mandato de criar filhos para a glória de Deus, desfruta de grande alegria e torna-se um agente transformador na história.

(Fonte: Devocionário Cada Dia - Hernandes Dias Lopes)

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Hoje , um pequeno grupo da Igreja Saiu para evangelizar. Foi uma oportunidade que tivemos para abençoar as família de Bodocó. Amanhã será nas cohabe
s, venha compartilhar Jesus>

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

A Igreja precisa de mais fervor espiritual, e consagração. Vamos buscar ao Senhor.
"se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra".
2 Crônicas 7:14

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Em Novembro estaremos iniciando uma campanha do forro da Igreja Presbiteriana de Bodocó. Será cerca de 100m² de forro em torno de 3.800,00. se você sentir desejo de ajudar entre em contato conosco. Pr. Josias

Ouçam, meus filhos, a instrução de um pai; estejam atentos, e obterão discernimento.
O ensino que lhes ofereço é bom; por isso não abandonem a minha instrução.
Quando eu era menino, ainda pequeno, em companhia de meu pai, um filho muito especial para minha mãe,
ele me ensinava e me dizia: "Apegue-se às minhas palavras de todo o coração; obedeça aos meus mandamentos, e você terá vida.
Procure obter sabedoria e entendimento; não se esqueça das minhas palavras nem delas se afaste.
Não abandone a sabedoria, e ela o protegerá; ame-a, e ela cuidará de você.
O conselho da sabedoria é: procure obter sabedoria; use tudo que você possui para adquirir entendimento.
Dedique alta estima à sabedoria, e ela o exaltará; abrace-a, e ela o honrará.
Ela porá um belo diadema sobre a sua cabeça e lhe dará de presente uma coroa de esplendor".
Ouça, meu filho, e aceite o que digo, e você terá vida longa.
Eu o conduzi pelo caminho da sabedoria e o encaminhei por veredas retas.
Assim, quando você por elas seguir, não encontrará obstáculos; quando correr, não tropeçará.
Apegue-se à instrução, não a abandone; guarde-a bem, pois dela depende a sua vida.
Não siga pela vereda dos ímpios nem ande no caminho dos maus.
Evite-o, não passe por ele; afaste-se e não se detenha.
Pois eles não conseguem dormir enquanto não fazem o mal; perdem o sono se não causarem a ruína de alguém.
Pois eles se alimentam de maldade, e se embriagam de violência.
A vereda do justo é como a luz da alvorada, que brilha cada vez mais até à plena claridade do dia.
Mas o caminho dos ímpios é como densas trevas; nem sequer sabem em que tropeçam.
Meu filho, escute o que lhe digo; preste atenção às minhas palavras.
Nunca as perca de vista; guarde-as no fundo do coração,
pois são vida para quem as encontra e saúde para todo o seu ser.
Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida.
Afaste da sua boca as palavras perversas; fique longe dos seus lábios a maldade.
Olhe sempre para a frente, mantenha o olhar fixo no que está adiante de você.
Veja bem por onde anda, e os seus passos serão seguros.
Não se desvie nem para a direita nem para a esquerda; afaste os seus pés da maldade.

Provérbios 4:1-27